rotina de escritor

On November 25, 2008 by miki

conversando há tempos com a karen e trocando figurinhas sobre os nossos gostos coincidentes com a escrita, combinamos de abrir um blog colaborativo! isso já faz algum tempo e nossa idéia original era de escrevermos toda semana, mas tanto eu quanto ela passamos por um vale e, por motivos diversos, não conseguimos cumprir a nossa meta.

pra mim, o mais importante sempre foi fazer com prazer. mas, pensando que o guarda-chuva, guarda-sol é um exercício literário “pra valer”, penso também que não posso ficar à mercê de dias inspirados. aliás, isso é um senso comum com o qual não compactuo: “artista tem inspiração divina” não tá com nada. significaria que só alguns poucos “escolhidos” poderiam ser artistas e, pior ainda, que não importa o esforço em se atingir um objetivo.

tenho tentado escrever diariamente, tenho tentado fazer desse um exercício de livre escrita. ainda não consegui me desvencilhar de escrever textos que façam sentido e que sejam bonitos, mas sigo tentando. claro, nem tudo é para ser publicado, mas se eu realmente quero virar “gente grande que escreve”, preciso fazer disso – assim como da ilustração – uma habilidade que eu domino e não o contrário (que é exatamente o que acho que acontece quando você fica esperando por uma “inspiração”).

desenterrei velhos cadernos de um tempo onde eu escrevia bastante e onde a livre escrita era mais natural do que é agora. talvez porque eu tivesse menos filtros e menos “do’s e don’ts” para mim mesma. a gente vai crescendo (ou ficando velho, como queira) e criando um minhocário para si próprio =(.

revisitando os tais cadernos, lembrei-me, com saudade da minha querida, queridíssima, muito amada mesmo, professora de redação: ana maria laitano. com um sorriso, me lembrei de como ela foi dura comigo no começo e de como eu fiquei decepcionada. eu sempre gostei de escrever desde bem nova e, sendo isso não muito comum no ensino brasileiro, eu era bem paparicada por todas as professoras de redação que passavam em meu caminho (em terra de cego…). mas, de fato, aquilo era uma escrita em formação e hoje, com a devida distância (emocional e de tempo), consigo perceber. e agradeço do fundo do meu coração que ela tenha agido assim comigo.

ana maria foi uma figura importante em minha vida, em meu modo de escrever, em como instigava os alunos. ficamos amigas, muito embora eu não a veja há anos, uns 10 ou 15 mais ou menos… um dos exercícios que ela gostava de dar era passar uma bacia cheia de frases recortadas. pegávamos qual nos atiçasse e dali escrevíamos um texto. gostei de resgatar isso e um dos meus exercícios tem sido esse. passando os olhos pelo caderno de agricultura do estadão, duas palavras singelas me chamaram a atenção: “corações-magoados”, era o nome de uma flor (ou de uma folhagem, não me lembro bem…). logo uma história rocambolesca começou a se desenhar na minha cabeça. o texto tá gavetando um pouco, mas é sério candidato a ser postado.

também tenho gostado de pescar frases ou palavras nos tuíteres alheios. tem outro texto gavetando com esse assunto. sim, eu sou terrível!

para o guarda-chuva, estabeleci como meta fazer uma ilustra para cada texto. mas uma ilustra em estilo diferente das de viés “infantil”. algo mais próximo de uma pintura, coloquemos assim. um outro desafio para mim mesma ^.^ e uma forma de ampliar as minhas aulas de desenho.

como o guarda-chuva é coletivo, replico os textos no “caderno de escritor” [antigo “quero ser clarice…” ]. foi assim que, depois de muito, muito, muito tempo voltei a ele… coitadinho, o blog de escrevinhações estava tão abandonadinho, com um layout desfavorável, um índice caquético e datas de postagem que não me agradavam mais.

decidi, pois, fazer um face lift no bichinho, além de mudar as datas de publicação para as datas de quando eu havia escrito cada texto. apesar da data de publicação no blog ser diferente, gosto do formato por ficar mais coerente com a minha produção “literária”.

estou relendo meus velhos cadernos e pescando um ou outro texto que considero interessante e representativo. pretendo ir publicando-os aos poucos no “caderno de escritor”. eu sempre tive vontade de ver tudo compilado junto, já iniciei inúmeras tentativas, mas nunca sucedi. agora, vejo que há muita coisa que só interessa a mim mesma como exercício e decidi que só os melhores textos vão pro clarice. por isso, acho que, dessa vez, conseguirei ser bem-sucedida.

bom, só o tempo dirá ;-)!


OS BLOGS

» guarda-chuva, guarda-sol: o blog literário colaborativo com a karen
» cemitério das palavras: o blog literário da karen
» caderno de escritor [antigo “tudo sobre quero ser clarice lispector”]: o blog literário da miki


2 Responses to “rotina de escritor”

  • Miki, querida, Miki!
    Já vejo seu primeiro livro em progresso e aplaudo!
    Acompanho de longe -e com muito carinho- essa dedicação verdadeira ao trabalho de escrever, o esforço para colocar para fora o que está guardadinho, para explorar sentimentos, para entender essa complexidade simples do mundo (ou essa simplicidade complexa) e seguir em frente. Velhas palavras, novas palavras. Encontre todas, transforme, pinte o mundo com a sua cor e sensibilidade.
    Um beijo,
    Pat

  • é, pat, como eu disse no outro post… me sinto nua às vezes. é uma sensação nova, estranha, mas, de uma certa maneira, boa!

    sonho com o dia em que seremos escritoras dividindo a mesma mesa de autógrafos!

    beijos, fofa!
    miki

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *