o elefante nº 5

On June 14, 2013 by miki

caetano cantando “nothing but flowers”. é assim que se inicia a noite do elefante com “o pássaro de cordas e as mulheres da terça-feira”. a personagem atormentada, perdida e sem rumo de caco navega através de encontros insólitos com diferentes tipos de mulheres.

a mulher propriamente dita (maria luísa), um tipo autoritário e beirando à histeria, faz do marido um gatinho indefeso e submisso. a outra (marjorie), misteriosa, planta em sua cabeça a dúvida se a conhece realmente ou se se trata apenas de um jogo particular dela: “será que você não tem algum bloqueio?”. enquanto a adolescente tagarela (fernanda de freitas) segue falando pelos cotovelos sobre assuntos tão estapafúrdios quanto díspares como polidactilia, gramática, sexo e morte – talvez mais para si mesma do que para o seu interlocutor.

sintomaticamente, nenhuma das personagens têm nome, exceto o gato desaparecido da mulher do protagonista: noboru watanabe. interessante notar que uma personagem que sequer apareça fisicamente na peça (ou quase) tenha um papel tão relevante. noboru tem nome, sobrenome e, de uma certa maneira, é o elo de ligação entre esse publicitário desempregado e as três mulheres com quem se envolve.

aliás, fazendo uma digressão, os gatos são tema recorrente na literatura de murakami. eles sempre estão presentes em suas histórias e, muitas vezes, em situações no mínimo misteriosas. só no elefante ele aparece duas vezes, aqui e no último ato. em “minha querida sputinik”, há também um gatinho que desaparece misteriosamente da vida de sumirê, uma das protagonistas. ela se lembra dessa história por conta de uma notícia que lê em um jornal em uma diminuta ilha grega: uma senhora idosa e sozinha morre e seus gatos comem parte de sua carne por questão de sobrevivência…

mas voltando à peça, se podemos rir às gargalhadas diante das situações absurdas que desfilam frente a nossos olhos, isso é mérito das meninas (e de toda a equipe). porque se pararmos para pensar realmente no que se passa ali, talvez pudéssemos enxergar um tênue espelho. claro que a hipérbole carrega em si a graça de poder amenizar a realidade, porém um fio de tristeza perpassa o ato todo e, se quisermos, perceberemos como é solitária cada uma daquelas personagens. se tivermos, então, coragem de ir um pouco mais além, certamente confrontaremo-nos com aquilo de cruel e/ou solitário que existe em nós mesmos.

esse talvez seja mesmo o papel do teatro que querem monique e michele: tratar com leveza temáticas doloridas e profundas do mais cru de humano que existe em cada um de nós. para, através da arte, sermos tocados em nossos corações. para que esse sentimento possa iluminar e inspirar nosso caminho, nossas vontades e nossas ações. a mim, é assim que se parece e é assim que o é.

– Simplesmente desapareceu. Feito fumaça. Todos me disseram que ele deve ter descido da árvore à noite e ido embora. Gatos ficam excitados e sobem em árvores, depois ficam assustados quando percebem como subiram alto e não descem. Acontece o tempo todo. Se o gato ainda estiver lá, disseram, vai miar para que saiba que está lá. Mas não consegui acreditar nisso. Achei que o gato estava agarrado em um galho, apavorado, incapaz de gritar. Quando voltei da escola, sentei-me na varanda, olhei para o pinheiro e, de vez em quando, chamava o gato por seu nome. Nenhuma resposta. Depois de uma semana, desisti. Eu gostava desse gatinho e fiquei muito triste. Sempre que olhava para o pinheiro, imaginava o pobrezinho, morto, completamente frio, ainda agarrado ao galho. O gato não indo a lugar algum, morrendo de fome e tremendo lá em cima.

Haruki Murakami in “Minha Querida Sputinik” | tradução de Ana Luiza Dantas Borges


ilustração da autora

o pássaro de cordas e as mulheres da terça-feira
da série “o desaparecimento do elefante”
sobre foto de andré gardenberg
em homenagem à peça de teatro “o desaparecimento do elefante” de monique gardenberg e michele matalon sobre obra de haruki murakami

grafite, aquarela e aguada de guache sobre canson branco 224g/m2
297 x 210 mm
14.jun.2013


2 Responses to “o elefante nº 5”

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *