o desaparecimento do elefante

On March 23, 2013 by miki

é sempre uma alegria saber que monique (gardenberg) e michele (matalon) estão juntas tramando uma estripulia nova. no momento em que tomo conhecimento do fato, meu coração dá saltos e piruetas e é difícil segurar a ansiedade para finalmente ver frente a meus olhos a obra gestada pelas duas.

eu gostava de teatro, mas nunca tive assim uma predileção especial até que “os 7 afluentes do rio ota” atravessou o meu caminho. a primeira vez – me lembro bem – foi no dia do encerramento de uma das temporadas, no sesc consolação. eu nem sabia muito bem do que se tratava, nem que a peça tinha 5 horas de duração, nem quem eram monique e michele, nem sequer sabia a sinopse da história. 5 horas se passaram num piscar de olhos e eu fui fisgada para sempre.

depois dessa primeira vez, para minha alegria e contentamento, a peça voltou em várias temporadas à são paulo e eu fui muitas noites vê-los no finado hotel hilton no centro e tantas outras no sesc pinheiros, onde fizeram a última temporada (que ainda hoje eu torço para que não tenha sido a derradeira :). eu e outros amigos ficamos fãs de carteirinha do rio ota e principalmente dessas duas meninas tão talentosas e especiais que fazem do brasil um lugar melhor de se viver. ficamos tão fãs que, em algumas noites, fazíamos um ritual de “acendimento de lanternas” no jardim de hanako, cenário de uma das personagens da peça e em homenagem a um dos episódios vividos por ela. um querido amigo, claudio pavanini, gostava de dizer: “algumas pessoas acumulam milhas, nós acumulamos horas de rio ota”. depois das 50 horas, eu parei de contabilizar, mas mantenho os canhotos dos meus ingressos guardados na minha caixa de tesouros até hoje.


foto por ethnocentrics

todo esse enorme preâmbulo para compartilhar a minha felicidade e fazer um convite a cada um de vocês que porventura passarem por aqui: estréia, neste sábado de aleluia, dia 30 de março de 2013, a mais nova criação de monique e michele: “o desaparecimento do elefante”, adaptação do livro de contos homônimo de adivinhe quem? haruki murakami!

eu não poderia estar mais exultante: além de ter certeza de que por aí vem coisa boa, sou aficcionado pelo mura-san. minha paixão começou por acaso, quando esbarrei em “minha querida sputinik” há alguns anos atrás na livraria. li a orelha, me apaixonei, comprei e li vertiginosamente. uma, duas, três, quatro vezes… depois da sputinik (um dos meus favoritos), outros vieram: caçando carneiros; dance dance dance; kafka à beira-mar (outro prediletinho); norwegian woods…

como elas mesmas sublinham, “As personagens de Haruki Murakami são, aparentemente, pessoas comuns” e “Murakami tem uma percepção aguda da sociedade contemporânea. Sempre parte de cenas cotidianas, para criar situações surreais, que beiram o nonsense”, diz Monique. “Murakami retrata a solidão e seus protagonistas parecem sempre à margem da sociedade”, completa Michele.

a solidão é elemento dos mais contundentes na obra de mura-san. um vazio arrombado no peito, uma “lua que pende no céu como um rim gasto” *. lindo e lancinante.

estou curiosíssima para ver o mundo que eu imaginei sozinha ao me deleitar lambendo lentamente cada palavra da escrita murakamesca pintada no palco por essas duas meninas e sua equipe igualmente talentosa. vai ser aconchegante e nostálgico poder rever caco ciocler e maria luiza mendonça – do rio ota – contracenando com andré frateschi, marjorie estiano e rafael primot, o trio da última peça montada pela dupla, “inverno da luz vermelha”.

só posso dizer uma coysa: can’t wait!

vocês acharão que é conversa de pescador, mas asseguro que aconteceu de verdade: no começo do ano, sonhei que “o desaparecimento do elefante” estreiaria em são paulo em março. acho que alguém ouviu meus pensamentos, compadeceu-se de mim e resolveu atender aos meus pedidos :).

se você ficou com vontade também, não perca tempo! eu mesma já comprei ingressos para três sessões :). vejo vocês por lá!

se quiser saber mais sobre o espetáculo, você pode espiar aquy.

e aí vão umas fotinhas pra ir atiçando a curiosidade!

aquario solo

Caco Marj bum

mesa kid
fotos por andré gardenberg


SERVIÇO

o desaparecimento do elefante
sesc pinheiros – teatro paulo autran
de 30.mar.2013 a 05.mai.2013
sextas às 21:00 | sábados às 20:00 | domingos às 18:00

recomendação: 12 anos
duração: 135 minutos

r$ 32,00 | r$ 16,00 (usuário matriculado) | r$ 8,00 (comerciário)
rua paes leme, 195 | (11) 3095.9400


* in “minha querida sputinik”


2 Responses to “o desaparecimento do elefante”

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *