mana, safiri e como é bom se emocionar

On June 24, 2009 by miki

ontem, fui à última oficina do ziguezague, evento incrível idealizado pela multi-talentosa cris mesquita numa parceria do mam e do senac e produzido por uma trupe de pessoas bacanas como a thais graciotti, marcos farinha & equipe, ana franco e educativo do mam – só para citar alguns nomes!

ali, em uma outra edição, eu mesma já ministrei uma oficina de bonecas e assisti a muitos debates interessantes, palestras envolventes e, claro, fui oficinanda de vários outras edições de ZZ.

a oficina de ontem foi preparada e conduzida pela joalheira, poeta e artista plástica mana bernardes. eu já conhecia as jóias dela de revistas e sites. ela gosta de trabalhar com materias do cotidiano, inclusive aqueles bastante banais que, a muitos, mais se parece com lixo do que exatamente com um material.

a mana me passou a impressão de ser uma pessoa simples, cheia de energia e de (boa) vontade de troca. gostei muito de poder conhecê-la e a seu trabalho nessas 3 horas. me identifiquei em muitos pontos com ela e com sua trajetória e pensamentos: o modo dela fazer as coisas, as dificuldades que teve, o não abrir mão de fazer aquilo em que acredita… isso só para citar algumas.

“história de vida através do objeto/história do objeto através da vida” era o tema do trabalho e começamos com um fio de arame de alumínio, cada um expressando através da forma alguma passagem de sua biografia.

eu escolhi fazer a safiri e me emocionei muito na hora de falar sobre quem eu era e porque tinha escolhido representar a minha amada cachorrinha. tão emocionada que, entre inúmeros soluços, mal consegui ler o petit text que eu escrevi em sua homenagem.


Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *