prelúdio da separação
(mas sempre juntos de alguma maneira)

querido matias,

você viu como eu já estou ousada? é apenas a quarta carta que eu escrevo para você e já me aventuro a te chamar de “querido”. espero que você não se importe. é que é assim como se você já fizesse parte da minha vida há muito tempo.

sabe, eu ando bastante pensativa nesses últimos dias. e uma das coisas em que eu tenho pensado muito é sobre a amizade. eu, assim como a sua mãe, sou filha única. às vezes, eu sinto falta de ter um irmão ou uma irmã. tem vezes que eu fico pensando como seria ter vários irmãos. talvez a gente se desse muito bem, quisesse estar sempre junto, mas pode ser também que a gente não gostasse muito um do outro né, matias? como será que seria?

talvez porque eu não tive irmãos, eu aprendi desde cedo a ficar introspectiva e a fazer as coisas sozinha. e como eu sempre fui uma menina muito tímida, era difícil para mim chegar nas pessoas e encontrar uma maneira de pedir para que elas brincassem comigo ou se tornassem minhas amigas. mas, apesar de tudo isso, eu fiz muitos bons amigos pelo caminho da vida. alguns muitos estão longe daqui, não vivem mais no brasil, mas nem por isso eu sinto que eles estejam distantes. outros, eu só vejo de quando em quando, mas, mesmo assim, o laço que nos une é tão bonito e forte que é como se nunca estivéssemos estado separados por mais do que uns dias.

sabe, matias, às vezes eu fico achando que eu devo de ter sido uma menina muito da boazinha na encadernação passada, pois papai-do-céu foi tão generoso comigo! apesar de eu não poder ter tido a alegria de ter irmãos, ele me deu tantos queridos amigos.

assim foi com a sua mãe: nós nos conhecemos há muitos anos e foi tão lindo tudo o que vivemos juntas. acho que você não sabe ainda, mas a festa do meu casamento foi no salão de festas da casa da sua mãe. foi tão divertido e especial, matias! um dia, se você quiser, eu posso te mostrar umas fotos. mas isso foi só um dos momentos maravilhosos que nós vivemos juntas. ih, matias, tem tanta história bonita, engraçada, emocionante, aventuresca que a gente poderia ficar por horas conversando sobre isso!

digo tudo isso porque sinto que, assim como com outros tantos queridos amigos, essa coisa bonita também começa a nascer entre nós. sabe… talvez eu precise me ausentar nos próximos tempos e minhas cartas comecem a ficar mais espaçadas. mas eu queria que você soubesse que isso não é de maneira alguma sinal de que eu esteja me esquecendo de você. na verdade, é bem o contrário: a cada dia mais, você ocupa um espaço maior dentro do meu pensamento e do meu coração.

ainda que o tempo para isso seja escasso, quando eu sentir muita saudade, pegarei nas agulhas de tricô e tricotarei algumas carreiras, pois isso me fará sentir que, de alguma maneira, me aproximo de você.

beijos de pai et de rosas amarelas em você, querido matias,
longe-mas-perto, distantes-mas-próximos

amor,
m., sua raposa

2 Responses to “prelúdio da separação
(mas sempre juntos de alguma maneira)

  • Raposa-mãe do raposinha meu afilhado sionesco GueguéWilson, eu te amo

  • e eu tu, luv <3
    tanto que acho que vou te morder e te carretilhar!
    vrummmm
    no seu bracinho!

    teluv de pai et de saudades gigantescas rosa desmaiado

Leave a Reply

Your email address will not be published.