Gritos e Sussurros

On September 12, 2006 by miki

Bom, embora corrido, pus a mochila nas costas e fui até o centro para assistir Gritos e Sussuros na Mostra Ingmar Bergman.

[Anna, interpretada por Kari Sylwan]


Cheguei em cima da hora, mas deu tempo de respirar um pouco antes do filme começar.

Eu nunca tinha visto filme algum do Bergman e depois de ter lido toda a sorte de opiniões sobre sua obra, tentei ir sem criar muita expectativa. Se não me engano, uma vez, há muito, muito, muito tempo atrás li uma crítica que dizia que Morangos Silvestres era chatíssimo-íssimo e que quem dizia que gostava era só pra fazer pose de cinéfilo. Achei engraçado na época e até um pouco despeitado, mas, enfim, era a chance de eu tirar minhas próprias conclusões.

Não dá pra dizer que eu exatamente gostei do filme, mas também não dá para dizer que eu odiei. E, às vezes, eu preciso de algum tempo pra digerir a coisa toda e formar uma opinião à respeito. Mas acho que não foi o caso desse filme.

Agnés (Harriet Andersson), uma mulher muito enferma mora na casa de campo em que passou a infância. São épocas remotas e o “médico da família” ainda é usual. Revezam-se para cuidar de Agnés suas duas irmãs: Karin (Ingrid Thulin), a mais velha e Maria (Liv Ullmann), a caçula, além da criada Anna (Kari Sylwan) que está na família há tempos. Nesse pequeno universo, segredos terríveis e pequenos acessos de loucura vão se desenrolando… Uma cena que me chamou atenção é da mutilação que Karin impõe a si mesma, muito parecida com a de Erika (Isabelle Hupert) em “A Professora de Piano” (e da qual muitas críticas comentam). Achei curioso, talvez Haneke tenha bebido da fonte de Bergman. Infelizmente, não conheço muito de cinema para poder fazer um paralelo mais aprofundado…

[Maria, interpretada por Liv Ullmann]

Acho que eu não veria o filme de novo, ele é um tanto aflitivo, arrasta-se e causa um certo desconforto, mas acho que essa é exatamente a proposta de Bergman, o que torna o filme extremamente coerente em todos os aspectos. Gostei muito da composição, da fotografia, do figurino e da estética do filme. E, apesar de tudo, a história acontece.

FICHA TÉCNICA
Título Original: Viskningar Och Rop
Gênero: Drama
Tempo de Duração: 90 minutos
Ano de Lançamento (Suécia): 1972
Estúdio: Cinematographica AB / Svenska Filminstituet
Distribuição: New World Pictures
Direção: Ingmar Bergman
Roteiro: Ingmar Bergman
Produção: Lars-Owe Carlberg
Fotografia: Sven Nykvist
Desenho de Produção: Marik Vos-Lundh
Figurino: Marik Vos-Lundh
Edição: Siv Lundgren
+ Saiba mais sobre o filme +


Este post tem a intenção de disseminar o trabalho de Ingmar Bergman. Todos os direitos de imagem são reservados aos seus respectivos proprietários.


Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *