o gato de cheshire

On January 30, 2008 by miki

“Um gato pode olhar para um rei.”

[cartazete do look nas mãos de ayla/caroline roos]

A idéia de fazer um traje inspirado no gato de Cheshire apareceu numa segunda leva de esboços (ainda que fosse uma segunda leva de um esboço só, rs). No rabisco original, aquele que guarda o frescor da primeira idéia, eu tinha imaginado um vestido – rodadíssimo que é uma das características da coleção – tomara-que-caia, listrado de pink e azul. Imaginei um grande sorriso do gato – só o sorriso – bordado na parte do corpete do vestido e uma longa cauda também listrada saindo da cintura do vestido na parte posterior.

[primeiro esboço]

Com o andar da carruagem em plena caminhada, analisando os trajes que eu já tinha feito (o traje do gato foi um dos últimos a serem confeccionados), fiquei achando que mais um vestido cuja base fosse corpete + saia rodada ficaria um pouco boring. Foi então que me lembrei de ter separado referências da era vitoriana que eram casacos-vestidos. E foi assim que o “gato de Cheshire” acabou mudando sua trajetória original.

A forma mudou, mas eu achava a combinação de cores imprescindível. Na escolha final, acabei optando por mudar o pink por um goiaba. Achei o contraste dele com o turquesa mais expressivo, mais “gatesco-cheshiriano”, se é que você me entende! Adoro a explosão do contraste, embora ele seja um nocaute aos olhos. Na verdade, acho que gosto precisamente por essa razão. Talvez porque, inconscientemente, eu achasse que traduzia a personalidade do “gato, ele mesmo.”

Mesmo o desenho do casaco acabou sendo modificado na versão final. Inicialmente, eu mantive as listras que havia no vestido, mas, à medida que fui fazendo a modelagem, outras possibilidades se apresentaram e acabou que achei o fio turquesa contornando o traje todo uma solução mais bem resolvida.

A escolha dos botões foi muito difícil. Eu tinha eleito duas opções e não conseguia me decidir. Gastei bastante tempo nesse estudo, mas, olhando o resultado final, não tenho dúvidas de que “o casaco fez a escolha certa” (sim, no final, acho que foi ele quem escolheu e não eu). E tenho essa certeza porque, hoje, vejo um conjunto tão entremeado que nem lembro qual era a outra opção de botão!

Agora, o cachecol de gato é um capítulo à parte! O cachecol sempre morou nos meus sonhos desde o início dos tempos. Eu sonhava com um cachecol de bicho falso, sabe? Uma coisa “parafraseando” as estolas de raposa, um libelo à vida, como se o cachecol dissesse: “deixe a pobre raposa viver” de uma maneira divertida. A idéia era um cachecol para “gente de verdade” (mais precisamente, eu, rs), mas ao aparecer a oportunidade, não pude deixá-la passar ao largo.

Embora, no início, tenha ficado com receio de que o traje nem ficasse tão interessante, amei o resultado final, tanto que este acabou sendo um dos meus looks preferidos da coleçã.

[mirabelle e o gato de cheshire ~ foto por ethnocentrics]

A escolha da modelo

Não havia outra modelo a não ser Mirabelle para este traje! Seu “tipo físico” é perfeito para o look e, sem dúvidas, ela arrasaria nos palcos com “o gato de Cheshire”.

Uma cena

“Com quem está falando?” indagou o Rei, aproximando-se de Alice e olhando para a cabeça do Gato com muita curiosidade.

“É um gato amigo meu… um Gato de Cheshire”, disse Alice. “Permita-me que lhe apresente.”

“Não gosto nada da cara dele”, falou o Rei; “contudo, ele pode me beijar a mão se quiser.”

“Prefiro não”, observou o Gato.

“Não seja impertinente”, disse o Rei, “e não me olhe desse jeito!” Pôs-se atrás de Alice enquanto falava.

“Um gato pode olhar para um rei”, disse Alice. “Li isso em algum livro, mas não me lembro qual.” *

Lewis Carroll in Alice no País das Maravilhas

(*) Frankie Morris sugere em Jabberwocky (outono 1985) que o livro que Alice leu poderia ter sido A Cat May Look Upon a King (Londres, 1625), um impiedoso ataque aos reis ingleses da autoria de Sir Archibald Weldon. “Um gato pode olhar para um rei” é um provérbio conhecido que implica que os inferiores têm certos privilégios na presença de superiores.

John Tenniel in Alice: Edição Comentada

Esse é um dos exemplos das preciosidades que você pode encontrar na edição comentada de John Tenniel que, como eu já disse antes, fez uma intensa pesquisa e publicou um livro abundante em informações sobre o universo de Carroll.

[um doce pra quem adivinhar o que é isso ^^ ~ foto por ethnocentrics]

Cenas do próximo capítulo

Uma hora tinha que chegar o fim, né? Na semana que vem, conto a historinha de como foi fazer o look do grande finale! Espero vocês na próxima 4ª!

[a seguir… ~ foto por ethnocentrics]

BÔNUS TRACK
» Veja mais fotos do oitavo look @ mundomiki’s flickr


4 Responses to “o gato de cheshire”

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *